dez 4, 2016
402 Visualizações
1 0

Apresentação de Coral

Publicado por

Já dizia Santo Agostinho “Quereis cantar louvores a Deus? Sede vós mesmos o canto que ides cantar. Vós sereis o seu maior louvor, se viverdes santamente.” Para ele, o Coral sempre teve o efeito de purificação da alma e elevação espiritual, enquanto para Beethoven “a música é capaz de reproduzir, em sua forma real, a dor que dilacera a alma e o sorriso que inebria”.

coral-sjcAs diferentes sensações transmitidas em um Coral revelam que a música produzida pelo coro, seja ele amador ou profissional, tem a incrível magia de exercitar os ouvidos e preencher os corações dos mais aflitos. Por isso, prestigiar eventos que envolvem canto é uma ótima oportunidade para alimentar a alma e alegrar as pessoas de uma comunidade.

Encontro de Coro Vozes do Vale que tem como objetivo principal a formação de novos públicos e conta com o apoio da Fundação Cultural Cassiano Ricardo e o Teatro Univap, onde será realizado o evento no dia 10 de Dezembro, a partir das 20h30 na Praça Cândido Dias Castejon, 116 – Centro, em São José dos Campos, terá a Entrada Franca.

Neste dia, os corais: Coral Lux Aeterna, Coral da Casa de Cultura Rancho do Tropeiro e o Coral do Tribunal de Justiça de São José dos Campos irão trazer no repertório canções das músicas do século XVIII, XIX e contemporâneas, oferecendo ao público um concerto étnico, dinâmico, com muitas sonoridades, cores e timbres distintos. Na apresentação deste ano serão cantadas as músicas: “Halleluya”, “Oh Happy Day!”, “Erev Shel Shoshanim”, “Trem Caipira”, “Jesus, Remember Me”, “Rock My Soul”, “Cunhataiporã”, “Imagine” e “Pátria Minas”.

regente-murilosousaO Encontro de Coro Vozes do Vale será regido por Murilo Sousa, vencedor do Concurso Americano Bauru/Atlanta – Festival das Américas e do Concurso de Canto Lírico Amadeus, bacharel em Canto Lírico, formado no Opera Studio (EMESP). Estudou no Coro Jovem Sinfônico de São José dos Campos e apresentou-se nos Estados Unidos, Georgia State University. Foi solista do Festival de Schleswig-Holstein na Alemanha, membro do Chorakademie Luebeck, Schleswig-Holstein Musik Festival, Coral Lírico do Teatro Municipal de São Paulo (Ópera Lohengrin) e do Coral do Theatro São Pedro. Murilo Sousa, também cantou sob regência de Eric Whitacre, Helmuth Hilling, Christoph Eschenbach, John Neschling e Sergio Wernec. Interpretou Ernesto (Don Pasquale), Alfred (Die Fledermaus), Belfiore (Viaggio Al Reims) e Ruy Bento (Il Guarany).

Como regente atuou em mais de 20 corais e desde 2010 trabalha para a Fundação Cultural Cassiano Ricardo. Atualmente dedica-se também à música contemporânea e é membro do Coral de Câmara do Vale do Paraíba, sob a orientação vocal da professora Isabel Maresca.

História e Curiosidades

Nas artes musicais, o Coral é uma palavra proveniente do termo latino “Chorus”. Seu significado foi adotado pelo cristianismo primitivo que remete ao grupo da comunidade que canta. Apesar de sua origem não tenha sido comprovada, sabe-se que os registros são anteriores à Antiguidade. Prova disso são as pinturas rupestres encontradas nas cavernas da Espanha que indicam atividades do canto e danças coletivas durante o período neolítico.

Na Idade Média, o canto coral ocidental teve início nos mosteiros a partir do canto gregoriano. Essa era, portanto, uma atividade restrita única e exclusivamente ao homens e a mudança de voz era cantada somente por meninos que traziam um tom mais agudo às canções.

Já no século XX , principalmente depois da Segunda Guerra Mundial, vários corais infantis e juvenis começaram a surgir em todo o mundo. A partir daí, essa arte passou a ser representada por amadores e profissionais do canto.

No Brasil, o coro encontrou seu espaço no cenário artístico e religioso por meio de pequenas associações de músicos que são divididas por diferentes tipos de vozes de acordo com a configuração musical. Nesse caso, podemos citar os sopranos, contraltos e barítonos que se apresentam como o canto plangente (Cantus-Planus) e a Música Figuralis quando é executado por diversas intervenções vocais.

Em 1964 e 1985, período caracterizado pela ditadura militar, aulas de música, filosofia e outras artes deixaram de ser matéria obrigatória nas escolas de ensino médio e fundamental. No lugar, foi inserida a Educação Artística, com objetivo de abordar, de modo superficial, todas as formas de manifestações artísticas. Parte, portanto, do conceito tecnicista dos governantes, somente em 2008 com a aprovação do Senado Federal, a lei nº 11.769 foi sancionada pelo presidente da república. Tal medida possibilitou o retorno das aulas de música nas escolas como matéria curricular obrigatória.


Fonte: Vale Teatro e Jornalismo Colaborativo

Assuntos Relacionados
Agenda · Artigos · Cultura · Educação e Cultura

Comments are closed.